Quarta-feira, 1 de Abril de 2009

Coisas perfeitas...

 

Andamos todos em busca de algo. Nem sempre sabemos bem do quê, mas continuamos a procurar. A cada dia há algo que nos faz acordar e encarar o dia, como se fosse mais um passo a caminho de algum objectivo, esteja ele perfeitamente definido ou não… E ao atingirmos uma dessas metas, rapidamente começamos a vislumbrar no horizonte outras novas para almejar.

É difícil contentarmo-nos com o que temos. Não só pela tendência natural de querer ir mais longe, mas também porque acontece frequentemente confundir esse contentamento com acomodamento, com falta de objectivos, com desleixo, com falta de ambição.
No fundo, queremos que tudo seja perfeito, que a nossa vida seja perfeita. Queremos o emprego perfeito, a casa perfeita, a cara-metade perfeita, os filhos perfeitos, o aspecto perfeito. Mas esperem… o que é isso de algo ser perfeito? O carro tem de ter as características ABC? Mas amanhã já vai sair um com ABCD! A casa tem de ser XPTO? Mais dia, menos dia vão construir uma com tudo isso e ainda mais… E se com coisas e objectos é relativamente simples ir gerindo este elevar de fasquia dos nossos desejos, aspirações e encantos (nunca como hoje foi tão comum deitar fora e comprar novo), as coisas já se complicam muito quando em causa estão pessoas!
 
Tem surgido várias vezes em conversas recentes a ideia de que hoje em dia a regra é o divórcio, sendo o casamento por toda a vida a excepção… e que isto está muito ligado ao facto de que as pessoas de hoje não estão dispostas a esforços e concessões, pois estão desde sempre habituadas a uma “liberdade” que significa fazer apenas o que se quer, o que dá mais prazer, o que se gosta mais, o que não exige grande esforço, compromisso ou trabalho. Não quero de maneira nenhuma parecer moralista (até porque obviamente estas coisas são bem mais fáceis de se dizer do que de fazer), mas essa nossa eterna busca por algo mais perfeito também passa cada vez mais pelas relações. Relações essas que têm cada vez mais por base o mesmo princípio da compra de um carro: se não gostar muito, se der problemas ou se me fartar, troco!
Então isso quer dizer que se deve insistir indefinidamente em algo que não funciona? Não, ninguém está a dizer isso… Mas que é feito das segundas oportunidades a que, supostamente, todos temos direito?
 
Às vezes chegamos a situações em que somos confrontados com a necessidade de tomar decisões e fazer opções difíceis. Muitas delas irão decidir irremediavelmente o decurso da nossa vida daí em diante, sendo o nosso futuro absolutamente diferente consoante a opção tomada. E a verdade é que (na esmagadora maioria das vezes) não é muito claro perceber qual delas é a melhor para nós. Até porque há quase sempre uma tendência natural para que uma parte de nós se incline para um lado e outra para outro lado. Talvez uma possa ser, geralmente, vista como a tal busca por algo mais, por uma certa perfeição (o que nem sempre implica sequer que exista mudança!), enquanto a outra seja mais relacionada com algo que, não sendo de todo perfeito, sentimos que nos poderá completar e realizar mais.
 

Então… onde acaba a busca incansável pela indefinível “coisa perfeita” e começa o aceitar do que nos torna mais inteiros, mais completos, como bênção e como algo perfeito… para nós!? Por muito trabalho que isso implique ou por difícil que seja de concretizar!

 

sinto-me: Indefinido
música: My Song - Brandi Carlile
publicado por Nuno às 16:22
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Daniel a 14 de Abril de 2009 às 00:03
Ok, acho que não vou conseguir para de ler este blog tão cedo....
De Nuno a 14 de Abril de 2009 às 01:06
Olá caro Daniel.
Muito obrigado pelos teus comentários... Espero conseguir continuar a corresponder a tão altas espectativas!
Quando aqui escrevo, faço-o em 99% das vezes a quente, discorrendo as mil ideias e palavras que me vão na mente, por alguma situação que esteja a viver. Talvez por isso alguns deles pareçam até meio confusos, por começarem com uma ideia e depois passarem para outra rapidamente.
Mas tudo isto para dizer que fico feliz que te identifiques com algumas das coisas que escrevo... É, pelo menos, sinal de que o que vou sentindo não é fruto de uma qualquer loucura momentânea, mas que mais alguém o sente também. E é sempre bom saber isso.
Um abraço!

Comentar post

mais sobre mim

pesquisar

 

Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28

posts recentes

500 days of Summer...

Stop 4 a minute...

Fundamental...

O regresso do Palma...

A dream in a restless nig...

Reruns...

A Bioquímica do amor...

Dreams...

The Fixer...

Pessoas...

Coisas simples...

Antigas memórias de tempo...

Eh Eh Eh Eh, este ano é q...

Histórias de vida...

Ansiedades...

Coisas perfeitas...

Lover, you should've come...

Dificuldades de comunicaç...

Cansaço...

O que eu te queria dizer....

How these days grow long....

Crónica de um dia normal....

Conversas adiadas...

Tempo de focar...

O telemóvel e o amor...

Pensamentos recorrentes.....

Uma pequena história...

Tic tac...

One more daisy...

Esta coisa de gostar de a...

Pushing Daisies...

Quase perfeit(a)...

Haja Folia...!

Arroz-doce...

Um abraço...

O que é um ano...?

O pior cachorro de sempre...

Tristeza inexplicável...

O caderno de climatologia...

Aconteceu...

Dor...

A brand new start...

arquivos

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

blogs SAPO

subscrever feeds