Segunda-feira, 6 de Julho de 2009

Coisas simples...

 

Por norma, todos nós estamos programados para complicar a nossa vida. Não há como fugir a isto. Tudo o que seja simples, fácil, directo, é porque com certeza tem alguma marosca por trás… e por isso desconfiamos de tudo. Já diz o ditado: quando a esmola é demais, o pobre desconfia. Por isso, quando algo nos parece simples demais, demasiado óbvio ou fácil, nós desconfiamos, duvidamos, pensamos mil vezes. Quem é que nunca esteve na situação de, perante um qualquer desafio simples, olhar várias vezes, de vários ângulos, para ver onde está escondido o truque, porque com certeza não pode ser tudo assim tão fácil? Se no teste que temos à frente nos perguntam qual o resultado de 2+2, antes de responder pensamos 5 ou 6 vezes se não haverá ali nada escondido que não lemos bem, se existirá uma qualquer outra forma de fazer aquela soma na qual nunca tínhamos pensado, se não haveria mais algum item na conta que por algum problema não ficou impresso na folha… E depois de toda essa confusão que criamos, é bem provável que acabemos por não responder simplesmente “4”! Ou, no mínimo, lá escreveremos o 4 mas acompanhado de um longo discurso acerca da metafísica da matemática, que nos leva a ter de encarar os números como valores abstractos, o que nos poderá eventualmente levar a considerar que os números que ali estão na realidade não representam objectos reais, pelo que sob determinadas condições, em testes laboratoriais, foi já em tempos observado que o resultado poderá ser diferente… enfim, faremos tudo menos a coisa mais lógica e simples a fazer: rabiscar o número 4 e seguir em frente sem sequer pensar mais naquela pergunta, uma vez que já está correctamente respondida.

 

Também nas pequenas e grandes coisas da nossa vida fazemos isto… há coisas que poderiam ser tão simples de resolver, de superar… mas nós complicamo-las sempre. Ou porque agora não tenho tempo, ou porque agora não dá jeito, ou porque não sei como vai ser a minha vida amanhã, ou porque tenho medo, ou porque não quero voltar atrás no que já fiz, ou porque não tenho 100% de certeza de que vai resultar, ou porque acho que não tenho espaço na minha vida para esse compromisso, ou porque neste momento o meu trabalho é mais importante, ou porque estou bem assim…

 

A vida já tem coisas complicadas a mais! Para quê dificultar também as que podem ser tão simples?

 

sinto-me: Emaranhado em complicações!
música: Simple Things - Silence 4
publicado por Nuno às 14:11
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim

pesquisar

 

Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28

posts recentes

500 days of Summer...

Stop 4 a minute...

Fundamental...

O regresso do Palma...

A dream in a restless nig...

Reruns...

A Bioquímica do amor...

Dreams...

The Fixer...

Pessoas...

Coisas simples...

Antigas memórias de tempo...

Eh Eh Eh Eh, este ano é q...

Histórias de vida...

Ansiedades...

Coisas perfeitas...

Lover, you should've come...

Dificuldades de comunicaç...

Cansaço...

O que eu te queria dizer....

How these days grow long....

Crónica de um dia normal....

Conversas adiadas...

Tempo de focar...

O telemóvel e o amor...

Pensamentos recorrentes.....

Uma pequena história...

Tic tac...

One more daisy...

Esta coisa de gostar de a...

Pushing Daisies...

Quase perfeit(a)...

Haja Folia...!

Arroz-doce...

Um abraço...

O que é um ano...?

O pior cachorro de sempre...

Tristeza inexplicável...

O caderno de climatologia...

Aconteceu...

Dor...

A brand new start...

arquivos

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

blogs SAPO

subscrever feeds